Veneza

Construída sobre as águas de um golfo do Mar Adriático e principal ilha do arquipélago da “Laguna Veneta”, Veneza é uma cidade única. Diz a lenda que foi construída na tentativa de fugir das invasões do Império Romano. No seu ápice foi a cidade mais rica da Europa e podemos ver traços desta riqueza ao percorrer a ilha, pois há muito Palácio por metro quadrado.

Segundo o guia que peguei na estação de trem, Veneza possui 56 igrejas e 48 palácios e museus. Eu fui lá só pra turistar nos pontos mais clichês mesmo. Se você quer fazer o mesmo e acordar cedo e disposto, é possível fazer isso em 1 dia inteiro. Como eu já estava só a capa da gaita, dividi em 2 dias para eu poder descansar um pouco.

De Florença a Veneza

Se você vai ficar na ilha de Veneza, compre a passagem para a estação Venezia Santa Lucia. A estação Veneza Mestre fica na parte continental de Veneza. A viagem demora 2h.

Em Veneza

Ao chegar na estação Santa Lucia, fui ao posto de informação turística e comprei um bilhete para usar o Vaporetto (transporte público da cidade) de maneira ilimitada por 24 horas por €18,00. Vale a pena, já que a passagem individual custa caro. Consulte outros tipos de cartões para turistas no site Venice Connected. Não se preocupe em comprar nada online, compre ao chegar lá. Utilize as informações como base apenas. No site da ACTV, empresa de transportes de Veneza, também há informações importantes, como as rotas de transporte e valores de passagem inclusive para as outras ilhas. Para consultar as rotas de transporte público de Veneza, veja este pdf no site hello Venezia.

Procure informações sobre qual época é melhor para ir, pois todos dizem que na época de chuva tudo inunda em Veneza. E não, aquela água não fede. Pelo menos quando eu fui não tinha cheiro nenhum 🙂

Para se locomover, também há os Traghetti, que são gôndolas coletivas e me parece que não custa tão caro. Como eu já tinha comprado o bilhete para o Vaporetto, não peguei nenhum Traghetto.

Se você pensa em fazer passeio de gôndola, prepare seu bolso, pois é muito caro. Todo mundo fala que se deve fechar o tempo e o preço antes de começar o passeio, e custa a partir de €80,00.

Grande Canal de Veneza

Grande Canal de Veneza

No booking.com fiz reserva para o Hotel Guerrini. Fica a 3 minutos da estação de trem e do ponto do Vaporetto, em uma rua com comércio, restaurantes, banco e sorveterias deliciosas. O café da manhã também é excelente. Recomendado, mas prepare seu bolso. Mesmo em um hotel simples, você não vai pagar tão barato (eu já disse que na Itália tudo é caro).

Pelas linhas 1 e 2 do Vaporetto você consegue chegar nos principais pontos turísticos, sendo que a linha 2 é mais rápida porque para em menos pontos. As plataformas das linhas 1 e 2 são separadas. Isso eu achei um pouco bagunçado. Havia um grupo de turistas esperando a linha 2, e um senhor que é funcionário da ACTV mandou a gente ir pra outra, depois foi pra outra mandou a gente voltar (e quase arrumou confusão com uns ingleses estressados).

Minha primeira parada foi na Piazza San Marco. Lá estão os seguintes pontos turísticos: Palazzo Ducale, Ponte dei SospiriTorre dell’Orologio, Basilica di San Marco, Museo Marciano, Procuriate Vecchie, Procuriate Nuove, Museo Correr e a Libreria Sansoviniana.

Cheguei em torno das 13h. A praça já estava lotada de turistas (você tem que disputar espaço com eles) e os guardas estavam interditando tudo para um evento que parecia ser da Cruz Vermelha. Resultado: Não consegui entrar em nenhum lugar. Eu que já estava na animação, apenas tirei algumas fotos e voltei para pegar o Vaporetto rumo à Ponte di Rialto.

Ponte di Rialto

A Ponte Rialto é do estilo da Ponte Vecchio: cheia de lojinhas. Melhor comprar souvenirs aqui que próximo à Piazza San Marco. Você pode ir andando até o Mercati di Rialto. Dos dois lados da ponte há restaurantes. Comi uma pizza por ali mesmo. Aqui eu notei que eles não ligam muito para a higiente: com a mesma mão que pegam dinheiro, pegavam na comida, como se fosse a coisa mais natural.

Como eu disse, em Veneza você disputa espaço com os Turistas nos Vaporettos, nos museus, nos restaurantes. Tudo é muito movimentado e cheio. Saia cedo para passar nos pontos turísticos para não ficar encalhado naquela multidão.

Voltei, descansei e só saí à noite para jantar. Acordei cedo no outro dia para voltar à Piazza San Marco e fazer o que não fiz no dia anterior.

Primeiro, subi o Campanile di San Marco. Não lembro quanto eu paguei, acho que foi em torno de €8,00. A vista para a cidade de Veneza é sensacional. Depois, fui ao Palazzo Ducale (€14,00). A Ponte dei S0spiri faz parte do Palazzo Ducale.

Sempre ouvi que os casais que passam de gôndola sob a Ponte dei Sospiri e se beijam ficam eternamente apaixonados. Eu nunca tinha lido nada a respeito desta ponte, mas na verdade ela foi construída para ligar a prisão velha do Palazzo Ducale à prisão nova. O nome de ponte dos Suspiros foi dado porque os prisioneiros suspiravam pela última vez olhando o mundo externo.

Vista a partir do Campanário

Dentro da Prisão

Para quem gosta de arte, ao voltar da Piazza San Marco você pode passar na Galerie dell’Academia e na Collezione Peggy Guggenheim.

Se você ainda tiver um tempo em Veneza, poderá visitar as famosas ilhotas de Murano e Burano. Eu não fui por pura preguiça.

Quase meia noite voltei com a mochila para a estação Venezia Santa Lucia. Hora de pegar o City Night Line rumo à Munique.