Kotor e Budva

Como falei no post anterior, em Dubrovnik há possibilidade de fazer tours de um dia a Montenegro. Existem algumas opções diferentes de passeios para Montenegro e você pode escolher qual te chama mais atenção. Eu fiz pela Lea Travel por €40, um preço mais barato do que eu tinha visto em outras agências pela internet, onde a faixa estava entre €50 a €60.

Essas excursões partem de hotéis mais conhecidos. Você não precisa estar hospedado naquele hotel, é só você ver qual da lista está mais próximo da sua acomodação. Como eu estava no hostel próximo ao Pile Gate, a excursão saiu do Hilton, que ficava do outro lado da rua. Bem fácil.

O que pode ser um incômodo é a espera na fronteira. Além dos carros há vários ônibus cheios de turistas e os oficiais entram nos ônibus, pegam todos os passaportes, levam pra cabine, fazem a leitura e carimbam. A guia croata se irritou um pouco por causa de alguns albaneses, que segundo ela, viajam sem um documento necessário para apresentar na fronteira e ficam o maior tempo na imigração, enquanto os Montenegrinos tem fama de preguiçosos. Mas depois de passar pela fronteira, a chegada é rápida em Kotor.

Caso você queira ir por conta, há ônibus todos os dias saindo de Dubrovnik a Kotor. A viagem dura aproximadamente 3h justamente por causa do processo de atravessar a fronteira.

Ilha Our Lady of the Rocks

KOTOR

O caminho a Kotor é lindo: a baía de Kotor com sua água azul turquesa e belos fiordes deixam a paisagem um tanto quanto pitoresca. No passeio, dá para ver de longe a famosa ilha artificial chamada “Our Lady of the Rocks”, onde há uma igreja que deixou de ser Sérvia Ortodoxa para ser Católica Romana. A atração principal de Kotor com certeza é sua cidade antiga (“Old Town” no inglês, “Stari Grad” na língua local). Se você pretende conhecê-la a fundo e subir as muralhas até o topo da montanha, não faça com uma visita guiada pois você não terá tempo.

Os locais mais visitados são: Torre do Relógio, as muralhas (de onde você pode ter uma vista bem legal – uma pequena parte você pode andar de graça, a outra tem que pagar), e o museu marítimo. Caminhe e conheça as lojas, restaurantes e pequenos palácios do local. Curta a paisagem.

Pra quem está fazendo um passeio por conta em Kotor: se tiver disposição, suba até o topo, no Castel St. John e no Small Fort. Você vai passar por outras fortificações e até igrejas no meio da subida.

Muralhas de Kotor subindo pela montanha

Em frente à entrada principal de Kotor Old Town

Kotor Old Town

Varal gigante entre duas torres de Kotor

BUDVA

Em Budva, paramos para comer em um restaurante à beira de uma linda praia que possui uma grande variedade no cardápio: massas, frutos do mar, Goulash, Ćevapi, etc. por um bom preço. Depois fomos conhecer a Old Town de Budva, que fica à beira do Mar Mediterrâneo. A Old Town de Budva teve que ser reconstruída após um terremoto em 1979.

Mas Old Town de novo? Sim, como em Dubrovnik, assim como em Kotor. Mas cada uma história diferente, com beleza e com paisagens mais lindas que as outras!

Vista das muralhas de Budva

Alfabeto cirílico da língua sérvia, também falada em Montenegro

Budva Old Town

Aproveite os sorvetes de diversos sabores pra refrescar do calor do Mediterrâneo, eles custam centavos de euro =)

Na volta da excursão, pegamos um Ferry Boat para chegar até onde o ônibus estava. O trajeto é rápido mas é muito bonito.

Eu meio que me arrependi de ter feito apenas uma excursão de um dia pois não consegui andar pra ver muita coisa nem em Kotor, nem em Budva. Não consegui parar pra saber um pouco mais da história de lá. Por isso não tenho tantas informações a postar aqui por isso eu digo: se você tiver tempo, não faça uma excursão como eu. Vá para Montenegro e passe alguns dias lá. As praias são tão bonitas quanto as da Croácia!

Próximo post: Mostar. Até lá!

Praia em Budva

Advertisements

Dubrovnik

Em 1929 o escritor irlandês George Bernard Shaw visitou Dubrovnik e gostou tanto que a chamou de “pérola do Adriático”. Quase 85 anos depois, a cidade faz jus à esta menção com suas ilhas encantadoras, um mar azul que nunca vi tão bonito igual e muita história. Não é à toa que é um dos destinos mais procurados da Europa. Como o próprio George disse, “se você quiser ver o paraíso na terra, venha a Dubrovnik”. Sendo assim, vamos a algumas dicas do que ver e fazer em Dubrovnik.

Vista das muralhas da Old Town

De São Paulo a Dubrovnik

Você vai ter que fazer conexão em algum outro país obrigatoriamente. Comprei passagens pela Swiss na Decolar.com. e haveria uma conexão em Zurique, mas o voo até Dubrovnik foi cancelado e me realocaram em um voo da Lufthansa com conexão em Frankfurt.

Se você nunca pegou um voo com conexão, não se preocupe: sua bagagem é despachada direto ao destino final, o único incômodo é ter que esperar o segundo voo algumas horas no aeroporto. Pelo menos, o aeroporto de Frankfurt é gigantesco e você pode andar bastante nele. Se você não sair do aeroporto, não precisa passar pelo oficial de imigração.

Chegando em Dubrovnik, na imigração só conferiram meu passaporte e carimbaram, sem perguntas.

O aeroporto de Dubrovnik na verdade fica em Čilipi, a uma distância de aproximadamente 20km do centro. Para sair de lá, não precisa gastar seu dinheiro com táxi. Há um ônibus que sai do aeroporto em direção à Old Town (Pile Gate) que vai para em quatro pontos principais. Eu paguei 35kn para ir até o Pile Gate. Kn é o símbolo de kuna, a moeda da Croácia. No desembarque, há uma casa de câmbio se você precisar trocar euro por kuna e caixas eletrônicos caso você queira fazer saque com um travel money.

Croata vestindo roupas típicas, tocando na Old Town

Em Dubrovnik

Se assim como eu você pretende visitar Dubrovnik no verão, reserve sua acomodação com muita antecedência. A cidade é pequena e o destino é muito procurado. Além disso, prepare seu bolso: tudo em Dubrovnik é caro. Há muitos hotéis 4 e 5 estrelas e uma diária pode custar seu rim. Uma coisa muito comum lá é famílias alugarem andares ou quartos de suas casas para turistas. Até no Booking.com eu vi isso. Mesmo assim, a diária pode ser cara. O melhor lugar para ficar é na região do Pile Gate, a entrada principal da Old Town. Além de ficar ao lado da atração principal da cidade, ali há muitos supermercados, padarias, lanchonetes, restaurantes, sorveterias: tudo o que você precisa para sobreviver, um ao lado do outro.

Como já falei, a cidade é bem pequena. Mesmo que você queira ir de uma ponta a outra, você não leva mais que meia hora dentro do ônibus. As passagens custam 15kn se você comprar com o motorista ao entrar no ônibus e 12kn se você comprar antes na banca. Os pontos de ônibus possuem as informações de itinerário e o motorista também pode te ajudar se você tiver dúvida. Dubrovnik é um lugar seguro para andar em qualquer horário.

Na época que eu fui 1€ = 7kn, então eles acabam arredondando os valores de alguns produtos a fim de aceitar euro. Assim, muitas lojas e restaurantes aceitam euros também.

Não se preocupe em comprar passeios guiados antecipadamente, seja pelo Viator ou nos sites das agências. Existem muitas opções de passeios em Dubrovnik, muitas agências diferentes e lá você com certeza pode achar passeios por um preço muito mais em conta do que você vê pela internet.

Não há trens em Dubrovnik. Se você quiser se deslocar para algum outro lugar, tem que ser de ônibus. Além de destinos dentro da Croácia, como Plitvice (10h), Zagreb (11h) e Zadar (8h), você pode ir até Mostar e Sarajevo na Bósnia ou Kotor em Montenegro. A rodoviária é pequena e simples e não aceita cartões, só dinheiro. Pelo menos há uma casa de câmbio caso você esteja sem nenhum kuna. Se você quiser realmente pegar um trem, tem que ir de ônibus até Ploče ou Split primeiro.

A manteiga que parecia queijo =(

Não sei se é pela proximidade com a Itália, mas se come muita massa em Dubrovnik. Tem muita coisa com frutos do mar, cogumelo e carne também. Nas casas de salgados há diversos sabores de bureka. Nada muito estranho ao nosso paladar. Só cuidado ao pedir café da manhã: no cardápio está escrito que vem mel, manteiga, queijo, pães, café e suco mas o que parece queijo na verdade é manteiga (sim, eu dei uma bela mordida na manteiga achando que era um pedaço de queijo).

Por ser um destino totalmente turístico, eles falam inglês muito bem. No geral, o atendimento em tudo quanto é lugar que eu fui foi excelente. Tudo contribui para que uma viagem a Dubrovnik seja muito boa!

O Hotel

Fiz minha reserva no Hostel World para o Hostel Marker, que fica bem próximo ao Pile Gate, descendo uma escadinha no meio dos restaurantes. O endereço que é divulgado é do escritório de administração do Hostel. As acomodações encontram-se espalhadas em diversos pequenos prédios próximos à Pile Beach. Há quartos individuais e quartos compartilhados. Meu quarto era muito bom, só não tinha ar condicionado. Senti um pouco de falta por causa do calor que fazia lá! De resto, o Sr. Marker e o Martin são muito legais e me ajudaram muito tirando minhas dúvidas e me passando informações.

O QUE FAZER

 

Chocolate e cerveja da Croácia

OLD TOWN

Há controvérsias sobre a origem da cidade antiga de Dubrovnik e suas muralhas. Diz a lenda que a cidade foi fundada aproximadamente no século VII para abrigar refugiados de Epidauro, Grécia. Porém, há alguns indícios arqueológicos que apontam a possibilidade de que essas muralhas tenham sido construídas em tempos antes de Cristo. Hoje há diversas lojas (muitas de souvenirs), restaurantes, bares e cafés na Old Town, mas também muitas pessoas moram lá. Permita-se se perder entre suas ruas estreitas e simpáticas, sinta um pouco como é a vida de quem mora ali. Pegue um mapa e tenha como referência a Stradun, rua principal. Aproveite os mercados para experimentar alguns produtos feitos na Croácia. A única coisa que me decepcionou um pouco foi o fato de nas lojas só ter camisa genérica da seleção croata e ninguém soube me dizer onde poderia comprar uma oficial. Mas enfim…

Minha dica é que você não perca por nada desse mundo a oportunidade de caminhar na muralha (City Walls). De preferência, vá em um horário que já não esteja tão quente a temperatura. Se possível, veja o pôr-do-sol. Tome cuidado pra não escorregar nas pedras. Te garanto que a vista vai fazer você esquecer todo o cansaço dos 2km dessa caminhada cheia de rampas e degraus.

Old Town

FORTALEZAS

Como antigamente havia muita preocupação com as defesas da cidade, há diversos fortes na Old Town e seus arredores, sendo os principais:

  • Bokar Fortress
  • Minceta Fortress
  • Fort of St. Lawrence (Lovrijenac)
  • Revelin
  • Fort of St. John

Pile Beach e Lovrijenac Fortress ao fundo

CABLE CAR

No topo do Bondinho, você estará a 405m acima do nível do mar, tendo uma vista maravilhosa de Dubrovnik. Tem gente que acha que o ingresso só pode ser comprado lá embaixo, perto da saída da Old Town, mas há uma bilheteria também dentro da entrada do Cable Car, que fica encoberta pela fila das pessoas que já compraram o ingresso. É só pedir licença pra ir até a bilheteria que geralmente tem poucas pessoas na fila ou quase ninguém. Na sala de espera para voltar à cidade, você vê algumas fotos do Bondinho destruído na época da guerra. Ele foi reaberto em 2000, 19 anos depois do exército Iugoslavo de Montenegro ter atacado a cidade em 1991.

Site: http://www.dubrovnikcablecar.com/

Cable Car e vista panorâmica

Fotos do Cable Car destruido pelos conflitos de 1991

PRAIAS

Apesar de ter um mar tão lindo, azul e limpo, a maior parte das praias não tem areia – só pedras. Pra nós que estamos acostumados com uma areia bem fofinha pode parecer muito estranho – principalmente quando vê gente usando um tipo de sapatilha esportiva pra entrar no mar (o que me levou a deduzir que é pra não machucar os pés nas pedras). Algumas das praias mais famosas de Dubrovnik são:

  • Banje Beach – Bem próxima da Old Town, você pode alugar cadeiras e guarda-sol;
  • Copacabana Beach  – sim, eles tem uma praia chamada Copacabana que não tem nada a ver com a nossa!
  • Lapad Beach – os hotéis dominam a orla, por isso é uma das mais frequentadas;
  • Pile Beach – recomendo aqui pra quem curte caiaque.

Copacabana da Croácia

ELAFITI ISLANDS

A Croácia possui quase 700 ilhas e visitar as ilhas Elafiti é obrigatório para quem está em Dubrovnik. As principais ilhas do arquipélago são Šipan, Lopud e Koločep (são as ilhas habitadas). Há diversas agências que vendem um passeio de um dia inteiro para essas ilhas e os preços variam. O mais barato que encontrei foi pela Lea Travel (a agência fica do outro lado do posto de informações turísticas do Pile Gate) por €40, com almoço incluso. O cenário é paradisíaco. Em Lopud há praias com areia mesmo. Šipan, a maior ilha, possui vinhedos e olivais.

Uma coisa que me chamou atenção no passeio que eu fiz foi o fato de o capitão do barco pescar na hora os peixes que seriam preparados para o almoço. Isso sim que é peixe fresco!

Uma das praias de Lopud

Chegando a uma das ilhas

Pescando o almoço

Um pouco do luxo que a Croácia pode oferecer

PASSEIOS DE UM DIA A PARTIR DE DUBROVNIK

Como Dubrovnik fica bem ao sul da Croácia, é possível fazer passeios de um dia à Kotor e Budva (Montenegro) e a Mostar (Bósnia). Fiz um passeio à Montenegro também pela Lea Travel e vou falar no próximo post.

EU NÃO FIZ, MAS VOCÊ PODE FAZER

LOKRUM ISLAND

A apenas 15 minutos de barco a partir de Dubrovnik, a ilha de Lokrum possui um Jardim Botânico com uma biodiversidade imensa. Há um lago chamado Mrtvo More onde até crianças podem brincar.

APRESENTAÇÕES DE DANÇAS TÍPICAS EM ČILIPI

Se você quer conhecer mais a fundo a cultura e costumes dos croatas, há apresentações de danças típicas em Čilipi (a cidade que falei que fica o aeroporto). Essas apresentações só acontecem aos domingos às 11:15 da manhã na praça principal da cidade. Há agências que fazem tour guiado até lá.

Site: http://www.cilipifolklor.hr/english.htm

Outras dicas você encontra no Tourist Board de Dubrovnik.

Eu fui só a Dubrovnik e algumas ilhas, mas no geral a Croácia é um lugar que você pode visitar sem um pingo de arrependimento, principalmente quem ama a natureza. Além de Dubrovnik, alguns destinos muito procurados são Hvar, Split, Zadar e Plitvice, onde há os famosos lagos. Até a capital Zagreb parece ter lugares muito interessantes para visitar. Faça uma boa pesquisa antes de montar o seu roteiro pelo país. Boa viagem!

Plitvice Lakes (retirado de http://www.insoonia.com)

Espírito Santo – Parte II

Depois de alguns dias em Guarapari, continuei minha viagem ao Espírito Santo indo à Vila Velha.

De Guarapari a Vila Velha

Os ônibus de Guarapari a Vila Velha param em diversos pontos de ônibus da cidade. Basta se informar qual o mais próximo de você. Em Vila Velha a mesma coisa. Dependendo de onde fica a sua acomodação, você não precisa ir até a rodoviária e voltar, basta descer no ponto que te deixa mais próximo. Leve um mapa do local que o motorista e o ajudante podem te ajudar com esta informação.

VILA VELHA

Vila Velha não é só uma cidade praiana, mas é uma cidade rica em história. Foi a primeira cidade do Espírito Santo a ser colonizada e foi capital da capitania até ser transferida a Vitória. Andando pela cidade é fácil perceber o peso histórico pelas construções da época da colonização. Atualmente, Vila Velha também é um polo industrial principalmente de roupas. Bom pra quem gosta de fazer compras.

O Hotel

Fiquei no Hotel Santorini, muito próximo da praia de Itaparica. O hotel é muito confortável mesmo. O preço não é tão em conta mas vale a pena pela localização. Do ônibus que vem de Guarapari, você pode descer praticamente na esquina do hotel, na Rodovia do Sol. A locomoção por transporte público é muito boa também, então não se preocupe em ter que pegar táxi dali para para outros lugares da cidade. Até para Vitória você pode ir com um ônibus comum que passa pela Terceira Ponte.

ONDE IR

Convento da Penha

De longe, o lugar mais famoso de Vila Velha é o Convento da Penha. Não só pelo lado religioso, mas porque ele fica situado em um morro de mais de 150m de altura e é de lá que se tem uma vista incrível de Vila Velha e da Terceira Ponte que liga a cidade a Vitória. Você pode subir o morro a pé pela Ladeira da Penitência, de carro ou de Van.

Terceira Ponte, que liga Vila Velha a Vitória, vista a partir do Convento da Penha

Visita à Fábrica da Garoto

Você só pode visitar a Fábrica da Garoto, mas tem umas burocracias: tem que agendar com antecedência por telefone e ir vestido apropriadamente. Mais informações: http://www.garoto.com.br/visite-fabrica.html

Teatro e Biblioteca Municipais

Tanto o Teatro como a Biblioteca foram tiveram sua inauguração na década de 90. Por isso a arquitetura é mais moderna. Eles ficam na Praça Duque de Caxias, a uma caminhada uns 20 minutos da Fábrica da Garoto.

Glória

O bairro da Glória é conhecido por ser um polo de confecções. O lugar ideal pra quem quer comprar roupa por um preço mais em conta, há diversas lojas de roupas pra diversos tipos de gosto e bolso.

Farol de Santa Luzia

O Farol de Santa Luzia fica na Praia da Costa e é aberto a visitação. De lá, podemos ver as cidades de Serra e Vitória, além de Vila Velha.

Forte Francisco Xavier

O forte começou a ser construído em 1535 e posteriormente foi ampliado por volta de 1700. Hoje abriga o 38º Batalhão de Infantaria.

Mais informações: http://www.visitevilavelha.com.br/patrimonio-historico/forte-sao-francisco-xavier-da-barra/

Morro do Moreno

Não cheguei a ir ao Morro do Moreno, mas é lá onde você pode praticar esportes como: Parapente, mountain bike e rapel. As pessoas costumam subir as trilhas para ver o pôr-do-sol, mas a segurança lá não parece essas coisas… então tenha cuidado se decidir ir. Não vá sozinho. Ele fica do outro lado do Convento da Penha.

Em Vila Velha há alguns museus e outras construções do período colonial. Confira no Mapa Turístico virtual da cidade: http://www.vilavelha.es.gov.br/guiaturistico/mapa-tur%C3%ADstico.html.

Praias

As praias de Itapoã, Itaparica e a Praia da Costa são as mais famosas de Vila Velha. Pra dizer bem a verdade, não fui em nenhuma, mesmo estando em um hotel a 100m da Praia de Itaparica. Queria mais conhecer a história da cidade do que as praias. As praias que fui em Guarapari foram suficientes, depois ainda fui em praias de Vitória.

Praia de Itaparica, vista da janela do Hotel Santorini

Guia das praias de Vila Velha: http://www.vilavelha.es.gov.br/guiaturistico/sol-e-praia.html

UM PASSEIO A DOMINGOS MARTINS

As propagandas que passam na TV são tantas que não tem como você não ficar com vontade de ir. Domingos Martins é uma cidade que tem uma colônia alemã. Fica na região serrana do Espírito Santo, a aproximadamente 60km de Vitória e Vila Velha e se orgulha de ter “o melhor clima do Espírito Santo”. Comprei a passagem na Rodoviária de Vitória e resolvi conhecer a cidade.

A cidade é pequena e simpática. Andando pelas suas pequenas ruas, você encontra algumas placas que mostram como se diz algumas palavras e expressões em alemão. Na praça principal, há uma feirinha de artesanato e em algumas datas, apresentações de danças típicas alemãs. Aproveite para comer em algum restaurante tradicional. As coisas lá não são caras.

Placas espalhadas pela cidade ajudam você aprender algumas expressões

Praça principal de Domingos Martins

Nos hotéis em Vila Velha e Vitória, você vai encontrar passeios com guia para Domingos Martins, e neste caso é a melhor forma se você não estiver de carro. Eu me lasquei de ter ido por conta. O ponto mais famoso da cidade é o Parque Estadual de Pedra Azul, com suas trilhas e piscinas naturais, mas não tem um mísero ônibus em Domingos Martins que leva até o parque. Assim como o parque, algumas outras atrações ficam no meio da estrada.

Parque da Pedra Azul (retirado de http://www.paixaocapixaba.com.br)

Outro passeio que você pode fazer por lá é o Trem Das Montanhas, um trem turístico que passa pelas cidades de Viana, Domingos Martins, Marechal Floriano e Araguaya. Os trens saem apenas nos finais de semana. Consulte preços e pacotes no site Serra Verde Express. Segue um vídeo da companhia sobre este passeio.

VITÓRIA

Eu não fiquei em Vitória, só em Vila Velha mesmo. De lá pegava um ônibus comum para ir até Vitória. Em certos horários, o trânsito é intenso e lento na Terceira Ponte, mas nada em comparação com o trânsito de São Paulo. Só fui de verdade pra Praia do Canto e Curva da Jurema – praias bem famosas em Vitória. Mas vou colocar alguns lugares legais com a descrição do guia de Vitória que peguei no posto de informação turística do aeroporto. Mais informações em: http://www.vitoria.es.gov.br/turismo.php

Parque da Fonte Grande

Parque natural localizado no ponto mais alto da cidade, a 308,8 metros de altitude, com mirantes e uma bela vista panorâmica de Vitória e de cidades vizinhas. Passeios pelas trilhas podem ser agendados por meio de visitas monitoradas que levam a uma fauna variada e vegetação característica da Mata Atlântica.

Horário: terça a domingo, das 8h às 16:40.

Tel: (27) 3382-6576

Parque Pedra da Cebola (retirado de http://www.cdvitoria.com.br)

Parque Pedra da Cebola

O parque recebe esse nome devido a uma pedra esculpida pela natureza que repousa sobre a outra e que, devido a seu comportamento geológico, se “descama” similar a uma cebola. Muito procurado para o lazer e caminhadas, conta com uma fazendinha, parquinho, lagos, mirante jardim oriental e campo de futebol. Possui 110 mil metros quadrados.

Tel: (27) 3327-4353 ou 3327-4298

Parque Moscoso

Inaugurado em 1912, é a mais tradicional e antiga área de lazer de Vitória, com playground, lagos, fontes luminosas, pequenos animais, concha acústica e árvores centenárias.

Tel: (27) 3381-6819

Parque Botânico Vale

Localizado no Complexo Industrial de Tubarão, o parque se estende por 33 hectares. Possui centro de visitantes, salas de exposições, trilhas sinalizadas, área para eventos, lagos, jardim sensorial, anfiteatro e área para recreação infantil. O parque também oferece visitas guiadas à área operacional da Vale, mediante agendamento prévio.

Tel: (27) 3333-6200

Manguezal

Situado na região noroeste da Ilha de Vitória, é um dos maiores e mais belos manguezais situados em área urbana do Brasil. Suas águas calmas convidam para passeios de escuna e pequenas embarcações.

Passeio de Escuna Rota Manguezal – Local de saída: Cais das Barcas – Santo Antônio

Manguezal (retirado de http://www.skyscrapercity.com)

Tel: (27) 3200-3155

Ilha do Boi

Com águas claras e tranquilas, a Praia Grande (esquerda) e a Praia da Direita são pequenas e bastante frequentadas por moradores e turistas. Uma alegria para os olhos e um paraíso para os banhistas de todas as idades.

Acesso: Rua Renato N. Daher Carneiro – Ilha do Boi

Uma observação minha: fica bem perto do Shopping Vitória, continuando a Praia do Canto.

Praia de Camburi

Com seis quilômetros de extensão, a Praia de Camburi oferece um largo calçadão com ciclovia, ideal para a prática de esportes e um passeio à beira-mar. Em suas areias pratica-se futevôlei, vôlei de praia, frescobol, futebol de areia, entre outros. O Píer é ponto de partida para passeio de escuna.

Acesso: Av. Dante Michelini

Passeio de Escuna: (27) 3222-3810 / 3224-3651

Praia Curva da Jurema

Com suas águas calmas e faixa de areia com 800 metros de extensão, é muito procurada por famílias e para a prática de esportes náuticos. Os visitantes também podem admirar a paisagem nos quiosques do local, que servem desde petiscos a refeições da culinária capixaba.

Acesso: Av. José Miranda Machado e Av. Américo Buaiz – Enseada do Suá

Curva da Jurema

Vida Noturna e Gastronomia

Triângulo das Bermudas – Região da Praia do Canto que reúne alguns dos melhores bares, restaurantes e boates da cidade, com muitas opções para sua diversão.

Rua da Lama – Próximo à UFES, no bairro Jardim da Penha, é um dos mais antigos endereços da boemia capixaba e recebe muitos estudantes de jovens de Vitória.

Paneleiras de Goiabeiras

O ofício das Paneleiras de Goiabeiras se constitui em um saber passado por gerações há mais de 400 anos e foi reconhecido como Patrimônio Cultural Brasileiro, registrado no Livro do Registro dos Saberes, do IPHAN. As paneleiras dispõem de um grande e apropriado galpão onde as associadas estão organizadas.

Visitação: terça a domingo das 8h às 18h.

Tel: (27) 3327-0519

Minha observação: são as Paneleiras de Goiabeiras que fazem aquelas panelas de barro onde vem as típicas moquecas capixabas.

Edifícios e Locais Históricos

  • Praça do Papa
  • Convento de São Francisco
  • Palácio Anchieta
  • Convento do Carmo
  • Museu Solar Monjardim
  • Museu de Arte do Espírito Santo (MAES)
  • Teatro Carlos Gomes

Sobre os lugares que passei no Espírito Santo: eu recomendo e digo que vale a pena. Tem lugares bonitos de tirar o fôlego e você não precisa gastar tanto como em alguns lugares do Nordeste, já que não tem toda aquela propaganda de turismo. Se você quiser saber de mais lugares pra visitar por lá, recomendo dois blogs: Rotas Capixabas e Terra Capixaba. Nada como seguir as dicas de quem MORA no lugar e conhece de verdade 😉

Espero ter ajudado você a montar seu roteiro! Até o próximo post!

Espírito Santo – Parte I

Havia um grande buraco no meu mapa de viagens pelo Brasil: o Espírito Santo. Comecei a pesquisar o que havia pra fazer por lá e encontrei muitos lugares que despertaram meu interesse para uma visita de 10 dias.

Ao passo que montava meu roteiro, percebi que o turismo para o Espírito Santo é pouco incentivado. Por exemplo, uma pessoa que não costuma viajar por conta vai encontrar dificuldades para achar um pacote para o Espírito Santo. A CVC tem um pacote de 5 dias chamado “Praias Capixabas”, mas achei um roteiro muito pobre para o tanto de coisa que tem para se fazer pelo Espírito Santo. Isso é uma pena, pois há lugares com um potencial turístico muito forte. Há praias maravilhosas e do meu ponto de vista, não perdem em beleza natural para nenhuma praia do Nordeste, só que com preços muito menores. Os lugares obviamente são muito mais acessíveis pra quem viaja de carro.

Depois de muita pesquisa, fiz um roteiro de 8 dias para Guarapari e Vila Velha, com um pulo em Vitória e Domingos Martins. Prepare-se pra provar uma típica Moqueca Capixaba. Seguem minhas dicas e experiências nestas cidades.

De Vitória a Guarapari

Decidi que Guarapari seria meu primeiro destino. Para ir até Guarapari, você precisa pegar um voo até Vitória e ir de ônibus até lá. Os voos de São Paulo a Vitória são bem em conta. Comprando com antecedência, você não vai pagar mais que R$250.

Tem ônibus que vai do Aeroporto até a Rodoviária mas acabei pegando um táxi, que não custou muito. Acho que foi até melhor porque para chegar até a Rodoviária você passa por uma região bem estranha. No geral, Vitória não é uma cidade que passa muita segurança. Fui na época de eleições municipais e os políticos sempre batiam na tecla da segurança, pois diz a lenda que Vitória é uma das capitais mais violentas do país. Enfim, tome as precauções que você tomaria em qualquer lugar que você anda.

Os ônibus de Vitória a Guarapari saem praticamente de meia em meia hora e o percurso dura pode ser de até 2:30h, dependendo do ônibus que você pegar.

GUARAPARI

Guarapari é uma cidade pequena e a maior parte dos ônibus são circulares, então fica difícil se perder. Caso precise de informação, os capixabas são muito solícitos e vão ajudar você a se encontrar. Pra mim o sotaque capixaba soa muito parecido com o sotaque paulistano. Apesar disso, você vai ouvir muito sotaque mineiro. Eles viajam para o Espírito Santo em peso.

O Hotel

No Booking.com, agendei o Hotel Pousada Caminho da Praia e acho que não poderia ter escolhido melhor. Fica bem próximo a uma avenida onde tem restaurantes, supermercado, posto de gasolina, caixas eletrônicos e onde você pode pegar ônibus pra tudo quanto é lado, mas é silencioso e tranquilo. Tem piscina, churrasqueira, salão de jogos, um café da manha delicioso e no fundo da pousada, uma área verde cheia de macaquinhos. Com uma caminhada de 10 ou 15 minutos você chega à Praia do Morro. Na praia do Morro é possível fazer uma trilha no morro e quem sabe ver um lindo pôr-do-sol.

O dono do hotel  Sr. Fernando é muito gente boa. Qualquer informação pode pedir a ele ou a qualquer funcionário do hotel, todos são muito atenciosos.

Pousada Caminho da Praia

Praias

Disseram que na alta temporada a cidade fica muito cheia e agitada. Eu fui em setembro, o tempo estava ótimo e nada de disputar palmo de areia com outras pessoas, nem de trânsito nas pequenas vias de Guarapari. O mais importante: as praias estavam limpas.

Uma das praias mais famosas é a Praia da Areia Preta, por causa da areia com alto teor de monazita, que tem poder medicinal. Você vai ver que tem muitos velhinhos nesta praia hahaha. Eu conversei com alguns e eles garantem que a saúde melhorou depois que se mudaram pra Guarapari. A estrutura da praia é muito boa, só a faixa da areia que é estreita e a maré pode alcançar você e suas coisas rapidinho.

Praia da Areia Preta

Continuando pelo centro, passei uma sequência de praias com uma paisagem de tirar o fôlego: Praia dos Namorados, Praia das Castanheiras e Praia do Meio. Aqui as praias são mais agitadas, com mais espaço e mais bares na orla.

Praia das Castanheiras

Praia dos Namorados

Se você foi a essas praias e já ficou boquiaberto, imagina quando chegar na Enseada Azul. Sim, é bem azul mesmo! E as praias são limpas pra caramba. Guaibura, Bacutia e Mucunã (ou Peracanga) além da escondida Praia dos Padres formam esse complexo de praias paradisíacas da Enseada Azul. Fiz uma coisa bem maluca: parei na primeira praia e fui até a última a pé, parando um pouquinho em cada uma. Tirando a praia de Peracanga, nas outras não tem nenhum restaurante / lanchonete. Trate de levar sua farofa pra comer (e não esqueça de um saquinho pra levar seu lixo embora).

Obs: A Praia dos Padres você só consegue chegar através de uma pequena trilha.

Praia de Guaibura

Praia de Peracanga

Praia de Bacutia

Praia dos Padres

Outra praia que você não deve deixar de conhecer é a Praia da Sereia. À beira desta praia há muitos restaurantes de culinária típica capixaba.

Guarapari é um ótimo lugar pra quem gosta de fazer mergulho. Eu pensei muito em fazer, mas em pouco tempo o clima virava, garoava forte ou chovia. Mas quem se interessar, temos a operadora Atlantes e a Aquasub.

Depois de passar por tantas praias maravilhosas, continuei minha viagem em Vila Velha. Como as pessoas no geral são preguiçosas para ler e o texto está ficando gigantesco, vou escrever sobre esta cidade em um segundo post.