Uma Viagem à China

Talvez você não conheça muitas pessoas que já foram ou que pensam em ir à China. Provavelmente a maioria de nós nunca sequer parou para sentar e pesquisar sobre o que este país oferece. E pode ser que a ideia de uma viagem para lá nunca tenha passado pela sua cabeça porque, no fundo, você preconceitos como: “China comunista!”, “país pobre de terceiro mundo”, “só tem escravo!”, “comem espeto de barata”, “maltratam as mulheres”, “chineses são rudes e sujos!” etc. Pare um pouco e se prepare para fazer seus preconceitos caírem por terra. Vamos viajar à China.

A China é um país enorme, o que significa que há uma grande diversidade geográfica para ser explorada. Tem para todos os gostos. Seja deserto, floresta, uma região cheia de lagos ou uma cadeia de montanhas super diferente. Se o seu estilo for uma viagem mais urbana, não se preocupe. Há cidades enormes e bem organizadas, até bem ocidentalizadas. Tudo isso fora a diversidade étnica e a cultura milenar que te oferecem experiências para levar para a vida toda.

Quem faz planos de viajar à China pode encontrar algumas dificuldades no caminho. O alto preço da passagem aérea e o medo de não conseguir se comunicar pode desanimar um viajante. Muita gente acaba pesquisando preços de pacotes com agências de viagem para não ter que se preocupar com nada, mas o preço do pacote mais básico é extremamente exorbitante. Veja bem: não desista! Te garanto: é possível viajar de maneira independente pela China e sem gastar muito dinheiro. Vou explicar com detalhes como, passo a passo.

Perguntas Frequentes
  • É seguro viajar pela China?

É seguro sim. Você deve tomar as precauções que toma em qualquer outro lugar. Procure a cidade que você quer visitar na Wikitravel e procure pelas informações do campo “Scams”, onde são listados golpes comuns aplicados a turistas, assim você fica mais esperto.

  • Sou mulher. Posso viajar sozinha pela China?

Eu viajei com amigos, mas vi algumas mulheres viajando sozinhas por Pequim, principalmente. Uma que falamos bem rápido era da França. Em um hostel em Changsha, pude conversar melhor com uma italiana que estava fazendo basicamente o mesmo roteiro que a gente, só que no sentido inverso. Perguntei como estava sendo a experiência de viajar sozinha pela China e ela disse que estava viajando há 15 dias e que até aquele momento estava tudo ótimo. Ela garantiu que não havia se sentido insegura e que não teve nenhum problema no período.

O lado bom da china é que sempre tem gente pra tudo quanto é lado (a menos que você vá para algum lugar remoto no Tibet ou no Badain Jaran Desert), então é difícil que ocorra algo em meio à multidão. Tome mais cuidado só com furtos.

É fato que chinês é um povo curioso e mesmo com a gente que estava em grupo, eles paravam e queriam dizer oi, puxar conversa ou tirar uma foto; mas não fique assustada, muito disso é porque em alguns lugares eles quase não devem ver um ocidental. Quando encontram um, acham diferente. Sobre vestimenta, as chinesas não são NADA conservadoras. Não há nenhum problema em andar com camiseta regata e bermudas ou saias como há em alguns outros países por aí.

  • Não falo nada em chinês. E agora?

Meus amigos e eu também não falamos chinês. Nas cidades que passamos (exceto Xian e Shanghai) era muito difícil encontrar alguém que falasse inglês. Além de levar um guia de conversação de bolso Mandarim – Português da Lonely Planet, graças à nossa maravilhosa tecnologia é possível baixar programas de tradução como o Google Tradutor com o pacote offline do idioma chinês. Isso significa que mesmo sem conexão à internet você pode digitar no seu celular a frase em português que ela será traduzida para chinês. Isso ajudou bastante a gente! E as mímicas. E as pessoas aleatórias que apareciam falando inglês para nos salvar. De todo jeito, os chineses são simpáticos e esforçados em tentar entender o que você quer dizer para te ajudar.

No fim das contas, algumas vezes nós decorávamos os símbolos das paradas de ônibus e quando o ônibus parava, contávamos quantos pontos faltavam pra chegar. “O ponto que tem dois risquinhos só no final do nome”, “uma casinha e uma árvore”. A gente inventava e se virava. Aí que mora a diversão.

  • E a alimentação? Vou ter que comer espeto de escorpião todos os dias?

A resposta é não. Você vai achar algumas comidas que pra gente são bem diferentes, mas esses espetos de insetos são mais difíceis de achar. As comidas lá são muito à base de macarrão, arroz, frango e porco. Esquece carne de boi, isso vai ser raridade. É muito fácil de encontrar  KFC, Mc Donald’s e Pizza Hut. Onde não tiver isso, vai ter um Dico’s, uma rede de fast food lá da China. Em último caso, passa no supermercado e compra biscoito e miojo que tá tudo certo. De fome não vai morrer. O lado bom é que, comparando com São Paulo, a comida lá era bem mais barata. Em um restaurante normal, gastávamos em média o equivalente a R$6,00. A média de preço de fast food como Mc Donald’s e KFC é de R$15,00 e em restaurantes como Pizza Hut e Papa John’s, entre R$20 e 25.

A cara era de desconfiança, mas foi a melhor comida da viagem: noodles com legumes com um tempero sensacional. R$5,00 (com a bebida)

  • Na China as coisas são bem baratas mesmo?

Eu diria que depende. Te garanto que a China não é uma 25 de março a céu aberto. Há muitas lojas de marcas famosas onde os preços são iguais ou maiores que as daqui. É preciso saber onde comprar por um preço menor, assim como fazemos aqui. Em cidades maiores como Shanghai ou Xian talvez seja mais fácil encontrar lugares para fazer compras. Meus amigos compraram drones em Shanghai por uns R$70, por exemplo. Peça dicas ao pessoal do hostel ou procure antes nos fóruns do tripadvisor.

  • Dinheiro ou cartão?

Resposta curta e grossa: leve dinheiro e um cartão que você possa sacar dinheiro nos ATMs. As bandeiras dos cartões que utilizamos (Visa, Mastercard) estão começando a ser aceitos na China agora; ainda serão raros os lugares que você vai encontrar algum estabelecimento que os aceite. Eles tem as próprias bandeiras de cartão, sendo a que me pareceu mais aceita a UnionPay. Eu comprei yuans na SP Mundi – você pode fazer o pedido pela internet e dependendo do valor eles entregam na sua casa sem cobrar nenhuma taxa adicional. Também levei um cartão Mastercard Travel Money e habilitei meu cartão do banco para saques internacionais na China no caso de precisar em alguma emergência. Saquei dos dois cartões e foi tranquilo, mas vale um lembrete: nem todos os ATMs fazem saque de cartões das nossas bandeiras. Às vezes é necessário tentar em mais de um caixa (geralmente os que aceitam ficam com a bandeira colada em algum lugar, indicando que é possível fazer o saque ali).

  • E as restrições ao acesso à Internet?

Na China o acesso a redes sociais como Facebook e Instagram é bloqueado. Além disso, algumas ferramentas do Google como o gmail também não funcionam. É melhor que você mande todas suas reservas para um e-mail alternativo como o hotmail ou yahoo mail. Também não há bloqueio para Skype e Whatsapp.

Caso você queira acessar Facebook /  Instagram / Gmail, recomendo a utilização de uma VPN. Assinei um mês do serviço da ExpressVPN e acessei todos os sites sem nenhum problema. Para utilizar, é necessário fazer a assinatura e instalar o aplicativo no celular e/ou tablet aqui no Brasil, pois lá você não conseguirá fazer o download do app. Deixe as configurações prontas e caso algo dê errado, envie um e-mail ao serviço de suporte deles (excelente por sinal!) que eles irão trabalhar para resolver o mais rápido possível. Eles sempre dão uma resposta em pouco tempo.

  • E a questão de acessibilidade?

A acessibilidade na China tende à 0. Se você possui alguma dificuldade de locomoção, não será fácil passear pela China. Tudo por lá é muita escada, e tem aquela questão dos carros que não param no sinal e etc. O cadeirante James Ballardie explicou com detalhes em sua matéria para a BBC como foi a experiência dele na China. Leia e sinta um pouco do drama: http://www.bbc.com/news/blogs-ouch-31923342

  • Quando visitar?

Primavera ou outono. O verão é extremamente quente e úmido, e é quando mais chove e há probabilidade de tufões. O inverno é muito frio.

É recomendado tomar a vacina contra febre amarela pelo menos 10 dias antes do embarque para a China.

Agora que respondemos essas perguntas, vamos ao que interessa:

Planejamento

Onde visitar?

Quando queremos viajar para um país mais diferente, sempre tem um que pergunta “mas o que você fazer lá?”

É aí que entram todas aquelas pesquisas afinal, você tem separar todos os lugares que você gostaria de ir e responder isso a si mesmo em primeiro lugar. Um bom site para começar suas pesquisas é o China Highlights. A página do Facebook da agência China Travel Depot também vai te enlouquecer com fotos de lugares de tirar o fôlego. Outras opções são os guias das editoras Lonely PlanetRough Guides.

Como eu já disse a China é um país enorme, então a distância entre as cidades que você quer visitar talvez possa ser um problema. Assim, coloque tudo em um papel e vá aos poucos ajustanto seu roteiro que tudo vai se encaixando. De acordo com a quantidade atrações que você quer explorar em cada cidade, separe a quantidade de dias que você pretende passar no local. Nosso roteiro foi: Pequim – Zhangye – Xian – Zhangjiajie – Guilin – Shanghai. Vou montar um post detalhando cada cidade nos próximos dias.

Reservas de Passagens e Hospedagem

Após separar as cidades e a quantidade de dias, vamos às reservas. Primeiro, pense em como ir de uma cidade à outra. Você tem a opção de ir de trem e/ou avião. Os voos domésticos na China não chegam a ser caros; quanto antes você comprar mais barato. No caso dos trens, o preço das passagens varia de acordo com a classe do vagão, tipo de assento e se ele é de alta velocidade ou não. Confira as diferenças de assentos e trens aqui no site Seat61. Procure comprar com antecedência, pois os assentos esgotam fácil em certos trechos. 

No roteiro que fizemos, optamos pegar alguns voos e trens que levariam no máximo 6h até o destino, mesmo que isso significasse pagar um pouco a mais para pegar trens de alta velocidade para não perder tempo (afinal 18 ou mais horas em um trem é tempo pra caramba, né?)

Sobre as passagens Brasil / China / Brasil: fique atento às promoções no site Passagens Imperdíveis. Há pouco tempo, vi no Instagram deles ida e volta a partir de R$2.160 que é um valor excelente, considerando que você está indo para o outro lado do mundo. O site da Air China oferece preços bons, dependendo do dia da semana que você quiser ir, é só ter paciência de procurar um pouco. A Decolar oferece a possibilidade de comprar as passagens e parcelar em até 6x. Sempre faça as pesquisas de passagens com a aba do seu navegador no modo anônimo. Isso dá uma diferença nos preços sim!

Nós compramos todas as passagens de trem no site Travel China Guide e as passagens aéreas para dentro da China no site China Travel Depot (opções alternativas: Ctrip e eLong) . Não tivemos nenhum problema com nenhum dos sites. As passagens aéreas são enviadas por e-mail. As passagens de trem devem ser coletadas nas estações de trem da China. Se você retirar na estação de trem em que você vai embarcar, não há taxas para retirada. É possível retirar o ticket em qualquer outra estação pela taxa de 10¥. É muito importante chegar com pelo menos 1h30 antes da partida do trem, pois às vezes acontece de demorar para pegar o ticket na bilheteria, depois tem fila pro raio-x e a maior parte das estações são enormes. Até encontrar a plataforma talvez você já tenha perdido o trem.

É preciso deste número de confirmação e do seu passaporte para retirar a passagem na estação de trem. Procure pelo “ticket office” e, para não perder tempo, tenha as informações em chinês!

Hospedagem: no geral, hospedagem na China é bem barato. Vamos dizer que em média, você vai gastar entre R$20 e R$30 nas cidades menores e entre R$40 e R$70 nas cidades maiores (aqui chutando alto o valor) por dia em hostel. Vou passar os detalhes dos lugares onde ficamos conforme saírem os posts de cada cidade. Fizemos a reserva de todos no Booking.com e no Hostel World.

Visto

Com todo o roteiro pronto, hora do visto. Sim, primeiro o roteiro e depois o visto. O consulado pede o seguinte para tirar o visto:

  • Passaporte: precisa ter validade de pelo menos 6 meses e uma folha em branco para o colar o visto;
  • Uma foto 3×4 recente com fundo branco;
  • Cópia da passagem aérea de ida e volta;
  • Roteiro da Viagem;
  • Reserva de hospedagem;
  • Declaração da empresa comprovando que você trabalha aqui no Brasil. Deve conter data de admissão e cargo. Se você tiver uma empresa, leve uma cópia do contrato social.
  • Formulário de solicitação de visto preenchido. Você pode baixar aqui no site da embaixada ou pegar o formulário lá no consulado e preencher à mão na hora.

Não é necessário agendar entrevista: o atendimento é realizado por ordem de chegada. É sempre bom levar comprovantes de que você tem dinheiro para viajar como extrato bancário, informe de rendimentos etc. Deixe tudo bem organizado porque o funcionário do consulado confere todas as informações, principalmente se as datas do roteiro que você anexou estão batendo com as reservas do hotel. No dia que fomos tirar o visto uma amiga nossa não conseguiu ir ao consulado conosco e, como algumas reservas estavam no nome dela, a funcionária disse que deveríamos voltar depois os quatro juntos ou então trazer uma declaração assinada por ela dizendo que iria viajar com a gente, além da cópia primeira página do passaporte. Perdemos o maior tempo atrás disso mas deu tudo certo.Eles recolhem os documentos e dão um papel para você retirar o passaporte com o visto em 4 dias úteis. A taxa é de R$100,00 para o visto de turismo de uma entrada e deve ser feito um depósito em dinheiro na conta do consulado, no banco HSBC, diretamente no caixa. No dia que for retirar o passaporte no consulado, leve o comprovante do depósito junto. O visto é válido por 3 meses após a emissão.

Lembre-se bem da regra de uma ou mais entradas: se você ficar só na China, o visto é de uma entrada. Se você entrar na China e for a outro país ou uma das ilhas: Hong Kong, Macau ou Taiwan e voltar à China, será necessário o visto de duas entradas. Sempre tenha em mente que a administração das ilhas é diferente da administração da China. Falando nisso, brasileiros não precisam de visto para Hong Kong, Macau e Taiwan, podendo ficar até 90 dias a turismo.

Reservas, passagens e visto em mãos? Agora prepare a mochila:

Kit básico de sobrevivência na China:

  • SEMPRE tenha impresso o nome das estações / aeroportos / endereços de hostel / pontos turísticos escritos em chinês e inglês. Se precisar pegar ônibus, peça ao recepcionista do hostel escrever em chinês o nome do ônibus e do lugar que você quer descer, assim facilita pedir informações às pessoas na rua e ao próprio motorista do ônibus.
  • Papel higiênico (é raro encontrar um banheiro público que tenha papel higiênico);
  • Lenços umedecidos e spray para nariz – vai por mim: tem lugar que o clima é muito seco ou que a poluição paira no ar. Lenços para limpar o rosto ou as mãos e spray para umedecer as narinas podem ser muitos úteis;
  • Álcool em gel – também é raro encontrar sabão nos banheiros, então é bom ter o álcool para higienizar as mãos;
  • Remédios – sempre leve remédios para dor de cabeça, diarreia, alergia, dor de estômago, cólicas, vômitos etc;
  • Seguro viagem – não li em nenhum lugar que é obrigatório para entrar na China, mas é sempre bom ter um seguro viagem caso você fique doente.

Prepare-se psicologicamente!

  • Trânsito caótico: não existe direção defensiva na China, apenas ofensiva. Pegar um táxi é uma aventura sem igual. Eles sentam o pé do acelerador e jogam o carro na pista sem se importar se há um carro vindo ou não. Metem a mão na buzina em vez de dar a seta. Isso significa muita adrenalina para o pedestre também: os carros não param quando o sinal está fechado. Isso significa que você tem que ser vida loka e atravessar correndo na pista do jeito que der e salve-se quem puder!
  • Banheiros: a grande maioria dos banheiros na China tem aquelas privadas que a bacia fica no chão. Mulheres vão sofrer mais com essa. E os chineses não se incomodam se o banheiro não tiver porta: dão aquela agachadinha e fazem o serviço na frente de quem quiser ver.
  • Filas: chineses não respeitam filas. Se estiver a um dedo de distância da pessoa que está na sua frente, eles simplesmente furam a fila com a maior cara lisa, como se nada estivesse acontecendo. Assim, seja mal educado mesmo e não deixe ninguém entrar na sua frente senão você vai demorar muito tempo pra fazer o que precisa.
  • Manias irritantes: Se alguém esbarrar em você não fique assustado pensando que querem te roubar. Passando um tempo lá percebemos que isso é totalmente cultural. Mesmo que haja muito espaço em volta, parece que eles curtem atropelar os outros. Além disso, chineses amam escarrar o tempo inteiro; alguns peidam perto de você como se fazer isso na frente dos outros fosse a coisa mais natural do mundo. Não estão nem aí.
  • Você será a sensação do lugar: como já avisei antes: muitos vão te encarar, dar oi, tentar puxar conversa ou pedir para tirar fotos pelo simples fato de ser ocidental. Aproveite seus minutos de fama!
  • Compras: te deram um preço X pelo produto? Barganhe! Chineses amam negociar o preço com você. Se for necessário, simplesmente diga que é muito caro, vire as costas e saia andando. Na maioria das vezes, o vendedor vai gritar pra você voltar e aceitar o preço menor. Geralmente conseguimos as coisas por até um terço do preço inicial.
  • Cigarro: Podemos dizer que a grande maioria dos homens chineses fumam. O cigarro deles tem um cheiro muito mais forte que os daqui e eles fumam em tudo quanto é lugar. As leis chinesas antifumo não são tão eficientes quanto as daqui. Pode se preparar pois seu cabelo e suas roupas vão ficar com esse cheiro impregnado sim.
  • Chás e noodles: Nas estações de trem, dentro dos trens e nos aeroportos há água quente de graça para que as pessoas possam preparar chá e macarrão instantâneo. É bem comum cada um andar com sua garrafinha e preparar o chá na hora pra levar na viagem, ou comer aquele miojão esperto. Faça isso pelo menos uma vez para ter essa experiência do estilo de vida chinês. Os temperos são diferentes dos nossos, geralmente um pouco mais apimentados.
  • Pão: as padarias que fomos tinham apenas pães doces. Até os que as atendentes diziam ser salgados porque tinham algo de frango ou de porco, também eram adocicados de alguma forma. Só nos hostels que ofereciam café da manhã era possível encontrar torradas ou pão de forma.

Chinesas pedindo para “tilar foto” junto com meu amigo

Tudo pronto? Vamos à primeira parada.
No próximo post, Pequim!

Viagem para Europa – O Plano

Você trabalha nada mais nada menos que um ano para conseguir aquele mês tão esperado: o mês das férias.

Fazer uma viagem daqui até ali pode parecer bem fácil. Às vezes a gente nem planeja nada e quando menos espera está embarcando para algum lugar. Mas numa viagem para fora do país não adianta fazer “nas coxas” – todo o planejamento é necessário para que ocorra tudo bem e dentro do esperado.

Tenho uma amiga que mora na Espanha há uns 6 anos e há muito tempo insiste que vá visitá-la. Me veio a idéia de aproveitar essa visita para conhecer outros lugares da Europa. Pesquisei bastante, conversei com muitas pessoas que já tinham viajado e pelo menos por enquanto está tudo certo. Eu olhei o preço de alguns pacotes na Europa e todos são muito caros. Por isso, fiz tudo sozinha: a compra de passagens, as reservas e a definição dos pontos que eu gostaria de visitar. Algumas dicas para você fazer o seu planejamento:

1) Defina quanto tempo você quer ficar na Europa

2) Defina as cidades/países que você quer visitar

3) Defina os pontos turísticos a visitar

4) Faça um orçamento de quanto você vai gastar mais ou menos com passagens, hospedagem e despesas diárias para que não falte dinheiro;

5) Pense bem sobre a época que você deve ir. O clima europeu tem extremos.

O que é importante saber:

Documentação

Para turismo na Europa, não é exigido visto se você ficar por até 3 meses. O Tratado de Schengen assegura livre circulação entre as fronteiras dos países membros da União Européia, exceto Irlanda e Reino Unido. Significa que você passa na imigração apenas no primeiro país que entrar (e na Irlanda e Reino Unido, se fizer parte do seu roteiro). Tenha em mãos apenas a documentação exigida por este país. Verifique no site do consulado o que eles solicitam na imigração.

No geral, é solicitado:

– Passaporte válido (mínimo de 6 meses antes do vencimento);

– Comprovante da reserva de hospedagem;

– Passagem de volta para seu país;

– Seguro que cubra o valor de €30.000,00;

– Quantia de dinheiro de acordo com o tempo que você vai ficar.

Em Lisboa, não me pediram nem perguntaram nada. Simplesmente carimbaram meu passaporte. Alguns países são muito minuciosos, verificam e perguntam tudo, principalmente se desconfiarem da pessoa . Por causa disso levei um documento assinado pelo RH da minha empresa declarando meu cargo e período de férias.

Dicas:

Transporte

– Andar na Europa não é difícil. Programe-se para fazer trajetos a pé entre os locais próximos. Caso necessite, o transporte público é eficiente e facilita muito a locomoção. Além disso, todas as cidades oferecem passes que você pode comprar para usar por um período de tempo em metrôs, ônibus, acesso a museus (ou descontos nestes). Dependendo do tempo que você vai passar no local, vale muito a pena o custo-benefício. Quando definir a cidade, procure saber o que cada passe oferece ao turista.

– Se você pretende andar muito de trem, existe um passe chamado Europass. Obrigatoriamente, você tem que comprar este passe aqui no Brasil. É bem flexível, você pode escolher o tipo de passe de acordo com o tempo que você vai ficar e a quantidade de países que você quer viajar. Analise bem, pois mesmo com esse passe você tem que comprar reservas lá na estação na hora de utilizá-lo. O preço destas reservas variam e algumas podem ser bem caras. Este passe também não cobre os trens de alta velocidade, como o Eurostar, que liga Bruxelas – Londres / Londres – Paris, por exemplo. Mais informações aqui no site da Eurail.

– Cuidado ao comprar passagens no site da Rail Europe Brasil. Já li relatos de pessoas que se confundiram e compraram só a reserva, levaram multa alta ao passar o fiscal no trem. Se você desconfiar do valor das passagens de trem, confira o valor no site oficial da companhia ferroviária que presta o serviço. No link da Eurail acima, tem uma lista com as companhias de transporte de todos os países, além do tempo de percurso que cada viagem leva.

– Existem algumas companhias aéreas Low Cost na Europa. As passagens de avião geralmente são mais baratas que as de trem. Quanto antes você comprar, mais barato fica. Já vi passagens de €25,00. As principais companhias são:

Easyjet

Ryanair

Air Berlim

Vueling

Você pode consultar quais companhias aéreas de baixo custo atendem o país que você pretende ir no site Fly Low Coast.

Eu viajei pela Easyjet duas vezes e é uma bagunça. Sempre atrasa, troca de portão de embarque e todos ficam correndo de um lado a outro. Outra low cost que peguei foi a  Vueling e foi tudo ok, nada a reclamar.

Dinheiro

É muito importante possuir um cartão de crédito internacional numa viagem para fora do país, mas devido ao aumento dos impostos, vale muito mais a pena comprar um cartão pré-pago. Eu fiz um VTM (Visa Travel Money) e é bem simples: na casa de câmbio, você escolhe se quer carregar o cartão em Euro ou em Dólar. O cartão custa R$10,00 e você carrega quantas vezes quiser e com o valor que quiser. Pode usar em qualquer estabelecimento que aceita a bandeira Visa sem custos adicionais. Também pode fazer saques em caixas eletrônicos por uma taxa de €2,50. Tem outros tipos de cartão pré-pago com outras bandeiras, como Mastercard por exemplo.

Para ter uma noção de quanto vai gastar, procure saber o preços de passagens de uma cidade a outra e de hospedagem. Pesquise para saber a média de quanto vai gastar com comida, transporte e entradas nos pontos turísticos. Por exemplo em Portugal é exigido o mínimo de €40,00 por dia que você fica lá. Esse valor pode variar de um país para outro. O que é muito barato em um certo país chega a custar o dobro ou mais do preço em outro.

Roteiro

Faça seu roteiro, mas não se preocupe muito em comprar guias com mapas. Esses livros são caros. Quando chegar no aeroporto ou estação de trem da cidade, os postos turísticos oferecem mapas gratuitos com os pontos a visitar, mapa de transporte, mapa da cidade, etc.

Confira o horário de funcionamento dos pontos turísticos com a data de sua estadia na cidade. Vários museus não abrem às segundas. Há muitos museus também que oferecem entrada gratuita ou reduzida em determinados dias e horários. Sempre busque informações atualizadas no site oficial.

Hospedagem

Pela pesquisa que eu fiz, existe hospedagem para todos os tipos de bolso: hotéis luxuosos, hotéis básicos, hostels (albergues), pensões. Eu fiz todas as minhas reservas no site Booking.com. Faça a busca de acordo com seu objetivo. Para reservar hostels, veja a página da Hostel World. Leia bem a política de reservas. Todas as reservas que eu fiz não tive que pagar antecipado. Poderia cancelar qualquer reserva até 24h antes do dia de chegada sem nenhum custo. Só pagaria se eu cancelasse no dia ou depois.

Leia com muita atenção também os comentários das pessoas que passaram pelo local, a nota geral e a nota de cada item (limpeza, localização, segurança, etc). Quanto melhor você se informar, menor a chance de cair numa fria!

VAT

O VAT na Europa é o imposto correspondente ao nosso ICMS. Como este imposto só se aplica aos cidadãos europeus, você pode solicitar o reembolso de uma parte deste imposto. Achei uma explicação detalhada no site OiLondres.

Bagagem

Evite levar muitas malas ou muita coisa dentro da mala.

Na minha saída do Brasil, poderia levar duas malas de até 32kg. Mas se você pretende viajar para vários países, carregar um peso desse só atrapalha. Alguns trens possuem pouco espaço para bagagem. Além disso, como os vôos são considerados domésticos, o limite de peso cai para 20kg . Cuidado para não ter que pagar por excesso de peso!

Duas coisas que não podem faltar na sua mala

1) Adaptador Universal para Rede Elétrica

O padrão de tomadas de alguns países variam. Não corra o risco de ficar sem recarregar sua câmera, celular, notebook etc.

2) Remédios

Peça ao seu médico para fazer uma receita prescrevendo medicamentos que podem ser necessários na viagem. Compre os remédios no Brasil e leve a receita junto. A minha médica informou que comprar remédios na Europa é bem difícil. Eles exigem a receita médica, e marcar consulta pode demorar muito. Ela incluiu remédios para alergia, vômito, diarréia, febre, cólicas, indigestão, etc.

Tudo planejado, é só esperar e curtir ao máximo seus passeios!

Nos próximos posts irei escrever sobre as cidades que visitei.

Boa viagem!